durkirk

Confira a crítica de Dunkirk

Dunkirk traz aos cinemas a batalha de Duquerque em meio a segunda guerra mundial. E descobrimos logo de cara que não se trata de um filme de guerra comum, pois percebemos que veremos vários lados da batalha, que essa história será contada por vários pontos de vista.

O ritmo de Dunkirk é não linear, como estamos acostumados nas obras de Christopher Nolan, então veremos muitas pequenas tramas sendo apresentadas. Temos os soldados no solo procurando um jeito de voltar pra casa, temos pilotos protegendo o céu contra ataques e civis tentando fazer sua parte.

Os destaques do longa ficam pela trilha incrível de Hans Zimmer, que traz um tom de urgência em todas as cenas e aumentam toda a angústia do momento, ótimo uso do excelente material. O espectador fica apreensivo a todo momento.

O filme não possui nenhuma grande atuação, eles são pano de fundo pros eventos de guerra, inclusive muitos deles parecem estar no filme apenas pra explicar eventos do longa e da segunda guerra, mas pelo menos seus núcleos se conectam de alguma forma, além de demonstram diferentes formas de contar um história de guerra.

Durkirk entrega um filme de guerra muito diferente do que estamos acostumados, o longa é uma experiência de sobrecargas, de urgência e de sobrevivência. E Nolan filma tudo isso com uma proximidade impecável, praticamente coloca o espectador dentro do longa.

O saldo final é ótimo, além de termos um filme de guerra sem melodramas e soldados tentando ser heróis, temos aqui uma dose de realidade feito de uma forma que mostra todos os problemas que uma batalha intensa pode causar na cabeça de um soldado e como eventos como esse geram respostas diferentes. Vale o ingresso com toda a certeza, mesmo que você não consiga vê-lo em IMAX.